0

"Xangô Rezado Alto" - Centenário do quebra de 1912

Posted by Railton Da Silva

Assessoria

A Universidade Estadual de Alagoas promove, nos dias 01 e 02 de fevereiro, uma série de atividades para lembrar o “Quebra dos Xangôs de 1912”, evento que marca a história de perseguição aos adeptos de religiões de matriz africana. A programação ocorrerá na Praça dos Martírios, em Maceió, mesma cidade que sediou os fatos hediondos contra a cultura negra há cem anos.


Na quarta-feira, 1º de fevereiro, acontecerá a Noite do Xangô Rezado Alto, com cortejo das comunidades Terreiro; apresentação de grupos artísticos, saudação aos ancestrais e toque do Xangô com comunidades presentes. As atividades terão início às 14h, com cortejo saindo da Praça D. Pedro II, em direção à Praça dos Martírios.
 
O cortejo terá participação da Comunidade de Terreiros de Alagoas; do Coletivo Afro-Caeté; do Boi Alegria (Zona Sul); do Boi Xique-Xique; do Maracatu Axé Zumbi; do Baque Alagoano; do Afoxé Odo Iyá; Airê Iorubá, do Projeto INAÊ, Escola de Samba Girassol e Maracatu Nação Acorte de Airá.


Às 18h, haverá apresentação de Hip hop, com Guerreiros Quilombola e Afoxé Oju Omim Omorewá. Logo após, sobe ao palco Wilma Araújo cantando “70 anos de Clara Nunes e em em seguida o cantor Igbonan Rocha com o show “Coisa de Nêgo”, com participação especial da Escola de Samba Girassol. A noite será encerrada com Orquestra de Tambores e a banda Vibrações.

Já na quinta-feira, 02, na Praça dos Martírios, além da apresentação de grupos artísticos, a partir das 17h30, Jurandir Bozo traz o show “Pros pés”, com participação dos grupos de coco de roda “Xique-xique”, do Jacintinho e “Pau-de-arara”, da Pitanguinha. A noite é encerrada com a sambista baiana Mariene de Castro.

Segundo o reitor da Uneal, professor Jairo José Campos da Costa, a ação está marcada na mesma data na qual ocorreu o “Quebra”, em 1912. “Queremos lembrar que esse é um momento para combatermos todo tipo de intolerância em nosso Estado”, destaca o gestor. Ele também ressalta que é preciso valorizar a cultura local. “Nossa pretensão é levantar a auto-estima do alagoano, mostrando que esse povo possui manifestações culturais valiosas”, completa.

O projeto “Xangô Rezado Alto” é financiado com recursos do Fundo Nacional de Cultura, Ministério da Cultura, com contrapartida financeira da Uneal. Segundo o vice-reitor, professor Clébio Correia, estão previstas ainda mais duas etapas, com a realização de um prêmio de incentivo às expressões artístico-culturais de matriz africana e de um congresso para debates sobre a cultura afro-brasileira e alagoana, reunindo estudiosos de Alagoas e de outros Estados do Brasil.

São parceiros do projeto: Universidade Federal de Alagoas, Centro de Ensino Superior de Maceió, Secretaria de Estado da Cidadania, Mulher e Direitos Humanos, Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas, Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas, Secretaria de Estado da Cultura de Alagoas, Secretaria de Estado da Educação, Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional/AL, BRASKEM, Federações e Comunidades Terreiro de Alagoas, Cojira/AL Articulação pela Cultura Popular, Afro Alagoana e Instituto Zumbi dos Palmares.

O projeto Xangô Rezado Alto – Centenário do Quebra dá continuidade e fortalece o atual movimento de resgate da identidade negra maceioense, desencadeado por instituições e lideranças das Comunidades Terreiro de Maceió, com a participação efetiva da Universidade do Estado de Alagoas – UNEAL.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

. Festa Popular – Noite do Xangô Rezado Alto

. Congresso Alagoano de Cultura Afro Brasileira

. Exposição Presença Negra em Alagoas

. 04 Oficinas de tradições afro-brasileiras

. Produção do vídeo Gira das Tradições

. Publicação de 02 cartilhas pedagógicas

. 02 Prêmios para produção cultural das comunidades terreiro

. Seminário de Políticas Afirmativas para Comunidades Terreiro

Fevereiro 2012

Festa Popular – Praça dos Martírios

01 de fevereiro – Noite do Xangô Rezado Alto

. Cortejo das comunidades terreiro da Praça D. Pedro II (da Assembleia) até a Praça Marechal Floriano Peixoto (dos Martírios)

. Apresentação de grupos artísticos

. Saudação aos ancestrais

. Toque de Xangô com comunidades presentes

02 de fevereiro - Apresentação de grupos artísticos


Março 2012

Produção do Vídeo Gira da Tradição

Vídeo documentário de 10 minutos, intitulado “Gira da Tradição”, ilustra o pensamento das pessoas que fazem a manutenção da memória e do desenvolvimento das casas religiosas de matriz africana em Maceió. Gravado entre 2008 e 2009, junto com um grupo de jovens destas casas religiosas,registra depoimentos e diálogos com aqueles e aquelas que dedicaram suas vidas à religião dos orixás nos bairros periféricos da capital.

Publicação da Cartilha da Gira da Tradição

Pesquisa sobre os saberes tradicionais utilizados e reproduzidos, de acordo com o pertencimento às diferentes linhagens étnicas com as quais se identificam – Ioruba, Gêge, Nagô, Ketu, Angola entre outras e intercâmbio de saberes entre as diferentes linhagens religiosas

Publicação da Cartilha do Quebra

História e relatos do Quebra do Xangôs de 1912

Abril 2012

Congresso de Cultura Afro Brasileira em Alagoas

Encontro de acadêmicos, artistas e comunidades terreiro para estudo e discussão sobre a cultura afrobrasileira, em particular a vivência em Alagoas.

. O Xangô ainda é rezado baixo em Alagoas?

. Quem são e como vivem as Comunidades Terreiro do Estado?

. Quais as consequências do Quebra de 1912?

Estas e outras questões, terão espaço de discussão nos dois dias dedicados ao pensamento da nossa cultura de matriz africana. Local e data a definir.

Oficinas de tradições afrobrasileiras

. Produção e utilização de alimentos rituais

. Utilização tradicional de ervas ritualísticas e medicinais

. Ecologia e mitologia religiosa afrobrasileira

. Musicalidade nas religiões afrobrasileiras

Local e data a definir.

Exposição Presença Negra em Alagoas

Acervo de artes plásticas de artistas negros, documentos relativos ao ‘Quebra dos Xangôs de 1912’ e sobre a presença negra em Alagoas, objetos de colecionadores e elementos de significação religiosa. Local e data a definir.

Maio 2012

Seminário Políticas afirmativas para comunidade afrodescendente

O dia 13 de maio, para a comunidade afrodescendente, se transformou num dia de reflexão sobre como se deu “o fim da escravatura no Brasil” e de como as políticas públicas de reparação tem resultado no desenvolvimento da população afro remanescente de hoje. “Quais são as necessidades desta grande população historicamente desassistida, para o plano desenvolvimento futuro?” mediado por estudiosos e palestrantes, terá como publico alvo a comunidade afrodescendente, religiosos, estudantes e a sociedade em geral.

Encontro ‘Ogãs e os Tambores Falantes’

O Encontro “Ogãs e os Tambores Falantes” será um espaço de diálogo sobre o sagrado e o profano.

Iniciados das religiões de matriz africana irão discutir acerca do papel dos Ogãs nas comunidades terreiro; os ritmos, partindo das culturas Jeje, Nago, Banto, Ketu entre outras presentes nos cultos e suas contribuições à musicalidade brasileira.

O seminário “Ogãs e os Tambores Falantes “ acontecerá com práticas percussivas e diálogos mediados por estudiosos e palestrantes e será dirigido aos Ogãs, músicos, a comunidade afrodescendente, religiosos e estudantes.

Links para esta postagem |

Quem esta visitando

Copyright © 2009 O Poeta e Palhaço All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by Railton Teixeira. Distribuído por Templates